História da Arte Portuguesa II
Código: 31029
Departamento: DCSG
ECTS: 6
Área científica: Artes e Património
Total de horas trabalho: 156
Total de horas de contacto: 15

Esta unidade curricular procura familiarizar o aluno com as grandes linhas de debate artístico da época moderna e contemporânea em Portugal. Tem como objetivo caracterizar numa visão abrangente e diacrónica, os grandes momentos da História da Arte Portuguesa, tais como o conhecimento das obras, autores, e conjunturas artísticas essenciais entre os séculos XVI e XX.

  1. Proto-Barroco
  2. Barroco
  3. Neoclassicismo
  4. Arte Contemporânea

Os estudantes ao concluir esta unidade curricular deverão saber:
• Problematizar as grandes linhas gerais do desenvolvimento dos diferentes movimentos e conjunturas artísticas em Portugal entre os séculos XVI a XIX.
• Entender e reconhecer a arte como facto social na duração histórica.
• Saber ler o monumento e o objeto artístico, situando-o no tempo e no espaço.
• Aptidão para discernir a obra de arte à luz da sua disponibilidade para constituir-se como documento artístico.

Introdução ao estudo da unidade curricular. Conjunturas e conceitos.
1. “AO ROMANO”
• Definição do conceito de Maneirismo;
• Arquitectura e Ornamento
• Classicismo, Maneirismo e Estilo-chão;
2. O SÉCULO XVII: CONTRAREFORMA
• A arquitectura da Restauração; A invenção de novas imagens
• Arquitectura da Companhia de Jesus
3. O CICLO DO BARROCO
• Arquitectura Barroca:
4. TERRAMOTO: ROCOCÓ E O POMBALISMO
• Arquitectura; Pintura; Escultura.
5. O LONGO SÉCULO XIX
6. HOJE E AMANHÃ :PERCURSOS DA MODERNIDADE: A ARTE PORTUGUESA DO SÉCULO XX

BIBLIOGRAFIA OBRIGATÓRIA:
Paulo PEREIRA; Arte Portuguesa, Círculo dos Leitores, Temas e Debates, Lisboa 2011 ( capítulos 10 a 16 pp. 508 a 871)
Bibliografia complementar
Vítor SERRÃO, História da Arte Portuguesa – O Barroco, Lisboa, Ed. Presença, 2003.
José-Augusto FRANÇA, História da Arte Portuguesa – O Pombalismo e o Romantismo, Lisboa, Ed. Presença, 2004.
José-Augusto FRANÇA, História da Arte Portuguesa – O Modernismo, Lisboa, Ed. Presença, 2004
 

E-learning.

O regime de avaliação preferencial é o de avaliação contínua, constituída pela realização de 2/3 e-folios (trabalhos escritos em formato digital), ao longo do semestre letivo, e de um momento final de avaliação presencial (p-fólio), a ter lugar no final do semestre, com peso de, respetivamente, 40% e 60% na classificação final. Os estudantes podem, no entanto, em devido tempo, optar um único momento presencial de avaliação, realizando, então uma prova de Avaliação Final (exame) com o peso de 100%.

Os estudantes têm de ter acesso a um computador com ligação à Internet, ter um endereço de correio electrónico e, desejavelmente, possuir literacia informática na perspectiva do utilizador.