Formação Online
Código: 11071
Departamento: DEED
ECTS: 6
Área científica: Ciências da Educação; Psicologia
Total de horas trabalho: 156
Total de horas de contacto: 15

A presente UC visa proporcionar ao futuro formador, professor ou designer, instrumentos e estratégias que permitam a tomada de decisões que sejam pedagogicamente efetivas e sustentáveis e que permitam ser transformadoras em várias situações de  intervenção pedagógica, através da construção de contextos de formação baseados na utilização de tecnologias digitais.  São abordadas as questões relativas ao desenho de cursos online em contextos formais (através da elaboração de um projecto de curso online) e questões relativas à utilização de tecnologias digitais e ambientes virtuais de aprendizagem em contextos sócio-culturais e sócio-profissionais complexos e voláteis (através do estudo de casos em Comunidades Virtuais de Prática e em Contextos de trabalho).

Competências transversais:

  • Adequar a intervenção educativa e formativa a diversos contextos, problemáticas e populações-alvo;
  • Intervir em contextos educativos diversos, formais, não formais e informais

Competências específicas:

  • Desenvolver e implementar programas e projetos educativos e formativos em ambientes virtuais e/ou híbridos.
  • Projetar e desenhar situações e ações de formação ajustadas a grupos e coletivos informais bem como a contextos de trabalho e organizações.

I. Formação Online em contextos virtuais e híbridos

  1. Modelos de cursos online
  2. Desenho de um curso online na sua arquitetura tecnológica, social e pedagógica
  3. Desenho de Atividades para Cursos Online
  4. Calendarização de um Curso Online: Duração e Ritmo de um Curso.
  5. Avaliação em Cursos Online 

II. Formação Online em Contextos não formais
 
A - Comunidades de Prática
Desenho, moderação, facilitação, gestão e administração de Comunidades de Prática.
Ferramentas digitais de apoio a comunidades de prática.
 
B - Aprendizagem em Contextos de Trabalho e Organizações.
O modelo de Jane Hart de formação em contextos de trabalho.

Bates, T. (2016). Educar na era digital: design, ensino e aprendizagem. São Paulo: Artesanato Educacional.
Cambridge, D., Kaplan, S. &Suter, V. (2005) Community of Practice Design Guide Louisville  CO: EDUCAUSE.
Dron, J.; Anderson, T. (2014) - Teaching Crowds-Learning and Social Media. Athabasca, Athabasca University Press.
Hart , J. (2017). Learning in the Modern Workplace 2017. C4LPT, Centre for Learning & Performance Technologies.
Quintas-Mendes, A. (2004). Formação de E-Formadores: Alguns princípios pedagógicos - Discursos, Série Perspectivas em Educação, nº 2, Dez. pp. 171-176
Rocha, A., Pereira, A. (2014). Grupos, Redes e Coletivos: Um contributo para entender a teoria de Anderson e Dron. Educação, Formação & Tecnologias, 7 (2), 39-52
Wenger, E. (2014). Communities of practice: a brief introduction, accessed 26 September, 2014.
Vieira, F. (2014) - Pedagogia, Formação e Investigação, In Vieira, F. (Org.) Quando os Professores Investigam a Pedagogia - Em busca de uma educação mais democrática. Mangualde: Edições Pedago Lda, pp. 11-57

O regime de avaliação preferencial é o de avaliação contínua, constituída pela realização de 2/3 e-folios (trabalhos escritos em formato digital), ao longo do semestre letivo, e de um momento final de avaliação presencial (p-fólio), a ter lugar no final do semestre, com peso de, respetivamente, 40% e 60% na classificação final. Os estudantes podem, no entanto, em devido tempo, optar um único momento presencial de avaliação, realizando, então uma prova de Avaliação Final (exame) com o peso de 100%.