Educação e Diversidade Cultural
Código: 11011
Departamento: DEED
ECTS: 6
Área científica: Ciências da Educação
Total de horas trabalho: 156
Total de horas de contacto: 15

Esta unidade curricular aborda a diversidade cultural e o desenvolvimento de perspetivas interculturais para a atuação em contextos educativos. Os conteúdos programáticos, organizados em 3 temas, apresentam as principais teorias e conceitos para que as questões educativas sejam abordadas e analisadas tendo em conta a heterogeneidade das populações atuais e a multiplicidade de contextos educativos formais e não formais, contribuindo assim para a fundamentação da interpretação de situações educativas e futuras ações. O estudo, a discussão bem como a reflexão serão orientadas no sentido do desenvolvimento de uma consciência cultural sobre os assuntos educativos que fundamente a atuações numa perspetiva intercultural.
 

Educação
Diversidade
Cultura
Multiculturalidade

Espera-se que o estudante tenha adquirido as seguintes competências:
‐ Analisar, numa perspetiva cultural, questões educativas emergentes.
‐ Integrar e aplicar os saberes teóricos no desenho de intervenções educativas para promover o respeito, a tolerância e o reconhecimento da diversidade humana.
‐ Adequar a intervenção educativa e formativa a diversos contextos, problemáticas e populações-alvo.
 

1- Socialização e cultura:
1.1 O conceito antropológico de cultura; dinamismo da cultura.
1.2 Dimensões da diversidade.
1.3 Socialização e agentes de socialização.
1.4 Identidade cultural.
1.5 Preconceitos, raça e etnicidade.
2 – Cultura e aprendizagem
2.1 A centralidade da cultura no processo educativo.
2.2 A educação formal e a educação informal.
2.3 O impacto familiar e cultural na educação.
2.4 Globalização e a diversificação de contextos educativos.
3 – Educação e interculturalidade
3.1 Escolarização e Paradigmas educacionais.
3.2 A diversidade cultural e a escola atual.
3.3 Educação Intercultural e Educação Inclusiva.
3.4 Cidades educadoras.
 

Botas, D. & Moreira, D. (2015). Integração de crianças recém-chegadas a Portugal numa escola do 1º ciclo de escolaridade. Revista de Estudios e investigación em Psicologia y Educación, Vol. Extr., Nº 8.
Candau, V. M. (2008) Direitos humanos, educação e interculturalidade: as tensões entre igualdade e diferença, Revista Brasileira de Educação, 13(37).
Dias, J. (2012). O que pais muçulmanos residentes na área da Grande Lisboa desejam para os seus filhos. Em S. Gonçalves & F. Sousa (Orgs), Escola e comunidade. Laboratórios de cidadania global. Instituto de educação da Universidade de Lisboa
França, D. X. & Monteiro, M. B. (2004). A expressão das formas indiretas de racismo na infância, Análise Psicológica, 4 (XXII).
Laraia (1986). Cultura um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor
Machado (2004). Cidade educadora e administração local da educação na cidade de Braga, Actas do Vº Congresso Português de Sociologia. Sociedades Contemporâneas: Reflexividade e Acção.
Serra, M. S. & Rios, G. A (2015). Las Ciudades Como Territorio de la Educación Integral. Educação em Revista, 31(4).
UNESCO (2010). Relatório Mundial da Unesco. Investir na diversidade cultural e no diálogo intercultural Carta das cidades educadoras.

 

E-learning

O regime de avaliação preferencial é o de avaliação contínua, constituída pela realização de 2/3 e-folios (trabalhos escritos em formato digital), ao longo do semestre letivo, e de um momento final de avaliação presencial (p-fólio), a ter lugar no final do semestre, com peso de, respetivamente, 40% e 60% na classificação final. Os estudantes podem, no entanto, em devido tempo, optar um único momento presencial de avaliação, realizando, então uma prova de Avaliação Final (exame) com o peso de 100%.