Voz e Dicção
Código: 11038
Departamento: DEED
ECTS: 6
Área científica: Ciências da Educação
Total de horas trabalho: 156
Total de horas de contacto: 15

A UC Voz e Dicção pretende evidenciar o papel da voz como elemento vital de relação e de expressão humanas em contextos de diversidade de uso e de relação.
A fundamentação e as perspetivas e atividades a propor centrar-se-ão nas características da individualidade vocálica e expressiva dos formandos procurando, porém, projetar estratégias de orientação para o seu progresso e aperfeiçoamento.
Tendo presente este objetivo central explorar-se-á o contributo inter e transdisciplinar de vários domínios, tendo em vista a edificação de um repertório técnico-vocal para comunicadores e contadores. Este repertório é sustentado num património multicultural da humanidade centrado na voz corpórea e na comunicação oral.
 

  1. Educação
  2. Voz
  3. Dicção
  4. Leitura

No final desta unidade curricular o estudante deverá ter adquirido as competências que lhe permitam:
• IDENTIFICAR E CONSCIENCIALIZAR-SE sobre os instrumentos de protecção e utilização do aparelho fonador e da voz;
• ADEQUAR A PERFORMANCE ORAL aos seus limites pessoais e aos diversos contextos e rituais de comunicação.

Na UC Voz e Dicção são trabalhadas as seguintes temáticas, numa perspetiva de práticas de identificação, de conscientização, de adequação da performance vocal em contextos diversificados.
O dispositivo de recursos e de atividades propostas deverá ser partilhado numa comunidade virtual de aprendizagens, a qual busca a inscrição personalizada e construtivista de todos os estudantes, numa partilha do seu próprio processo formativo como viagem autobiográfica:

Tema 1: OS INSTRUMENTOS CORPO E VOZ.
Questões orientadoras:
  • Como é constituído o aparelho fonador?
  • Que cuidados básicos deverei ter com a voz no quotidiano?
  • Que atenção especial deverei ter com a relação corpo-voz e a emissão vocal?
  • Como poderei melhorar a respiração, o alongamento, o relaxamento e a postura?
  • Como poderei exercitar a máscara facial, a articulação, o ritmo, a cadeia fónica e a projeção vocal?
  • Como poderei melhorar a qualidade e a clareza da dicção e da mensagem oral?
 
 
Tema 2: O PATRIMÓNIO LINGUÍSTICO POPULAR.
Questões orientadoras:
  • Que importância tem a leitura em voz alta para o desenvolvimento vocal, linguístico, cultural e expressivo?
  • Que caraterísticas podemos atribuir ao património linguístico popular (rimas, lengalengas, trava-línguas, adivinhas, estórias, poesias, canções, pregões...), tendo em vista o desenvolvimento vocal, linguístico, cultural e expressivo?
  • Quais são as caraterísticas expressivas que se evidenciam nos exemplos de expressão vocal propostos?
    Como poderei beneficiar dos exemplos propostos?
 
Tema 3: A LEITURA, A NARRAÇÃO E A DECLAMAÇÃO.
Questões orientadoras:
  • Que importância tem a leitura em voz alta para o desenvolvimento vocal, linguístico, cultural e expressivo?
  • Que características de leitura, narração e declamação se evidenciam nos exemplos propostos?
  • Como poderei beneficiar dos exemplos propostos?
 
Tema 4: O CONTADOR DE ESTÓRIAS, O TEATRO E O CANTO.
Questões orientadoras:
  • Que importância tem a leitura em voz alta para o desenvolvimento vocal, linguístico, cultural e expressivo?
  • Que caraterísticas de contar estórias, de teatro e de canto se evidenciam nos exemplos de multiculturalidade propostos?
  • Como poderei beneficiar dos exemplos propostos?
Tema 5: PROJETOS BASEADOS NA QUALIDADE DA COMUNICAÇÃO VOCAL
Questões orientadoras:
  • Que importância tem a leitura em voz alta para o desenvolvimento vocal, linguístico, cultural e expressivo?
  • Que caraterísticas atribuímos a exemplos de "boas práticas" de projetos baseados na comunicação vocal?
  • Como poderei beneficiar dos exemplos propostos?
  • Como tirar partido global e/ou mais específico e particular, das várias experiências propostas através do conjunto das atividades descritas em filmes e/ou descritas em materiais de outra natureza e suportes?
O processo formativo em Voz e Dicção aponta para o contato e a experimentação, a convocatória da via da escuta individual, a interpelação pessoal, a conscientização e o desejo de potenciar as qualidades vocais do estudante. São essenciais o desenvolvimento da perceção sobre a adaptabilidade dos processos vocais em situação, acompanhados da auscultação e participação reflexiva e crítica do estudante em exercícios e experiências desenvolvidas em contextos comunicacionais e ambientais diversificados.
Neste sentido atribui-se uma relevância especial do processo formativo à inscrição autobiográfica de cada um dos estudantes, mobilizando a sua experiência corpórea e vocal de contato com a realidade, ela própria tornando-se geradora da ação indutora de auto-animação e auto-intervenção, a qual não pode confinar-se, apenas, ao universo mediado pelo digital online e em rede.
A formação nesta área do conhecimento constitui um desafio singular quer para o professor e animador, quer para o estudante do ensino a distância numa ótica construtivista de uma comunidade virtual de aprendizagens que se gera e expande na/com a realidade tangível.
Na UC Voz e Dicção, propõe-se uma viagem laboratorial que deverá ser co-participada criativamente pelo estudante, a qual deverá integrar uma dimensão personalizada e autobiográfica que se reforça, aprofunda e enriquece com/no caminho.

AGUILAR, Luís. (1998). Expressão e Educação Dramática (Guia Pedagógico para o 1º Ciclo do Ensino Básico). Quarteira: Laboratorium Personae. pp. 125-130.
ALEXANDRINO, Teresa (2014). Projeto CIV Young Storytellers: estudo exploratório de uma investigação-ação no Colégio Internacional de Vilamoura. Dissertação de Mestrado em Arte e Educação. Lisboa: Universidade Aberta.
BEHALAU, Mara e PONTES, Paulo. (2001). Higiene Vocal: Cuidando da Voz. Rio de Janeiro: Revinter. 62 p.
FARIAS, Carlos Aldemir. (2006). Alfabetos da Alma – Histórias da Tradição na Escola. Prefácio de Maria da Conceição de Almeida. Porto Alegre: Editora Sulina. 135 p.
GRANDE ENCICLOPÉDIA PORTUGUESA E BRASILEIRA. (Vários Autores). (2000). Atlas da Literatura. Lisboa: Última Página. Ver os artigos no capítulo ‘Literaturas da Voz’ pp. 68-121.
JEAN, Georges. (2000). A Leitura em Voz Alta. Tradução de Isabel Andrade de “La Lecture à Haute Voix”. Lisboa: Instituto Piaget.
MARTINS, Amílcar. (2006-2017). Repertório técnico-vocal para comunicadores e contadores. Lisboa: Universidade Aberta. (A explorar de forma articulada e sistémica vários materiais scripto, áudio e videográfico através da plataforma online da UC Voz e Dicção).
MARTINS, Amílcar. (2007). “’Cuentos del Espíritu’ num Jogo de Espelhos Virtual”, in Revista "… à Beira", nº 7 , vol. 1, pp. 183-194. Covilhã: Departamento de Letras da Universidade da Beira Interior.
MARTINS, Amílcar (autor); ANTUNES, Elisa (realizadora); e RIBEIRO, Teresa (tecnóloga). (2008). Arte e Educação: A Magia da Palavra. Lisboa: Universidade Aberta. Vídeo. Duração: 40' 01''. http://zappiens.pt/Z2787]
MARTINS, Amílcar. (2009). Voz e Dicção – Chi Kong, Energia e Relaxamento. Lisboa: Universidade Aberta. Vídeo. Duração: 6'07’’.
https://www.youtube.com/watch?v=TK3aEizLvfY&list=PL5E56D4924FCC6EEB
MARTINS, Amílcar (Maria João Veloso orienta a sessão). (2009). Voz e Dicção – Respiração, relaxamento e postura I. Lisboa: Universidade Aberta. Vídeo. Duração: 3'10’’. https://www.youtube.com/watch?v=0eQ4qVAoDS8&list=PL5E56D4924FCC6EEB&index=2
MARTINS, Amílcar (Maria João Veloso orienta a sessão). (2009). Voz e Dicção – Respiração, relaxamento e postura II. Lisboa: Universidade Aberta. Vídeo. Duração: 2'58’’. https://www.youtube.com/watch?v=R9SbY6kxcBc&index=3&list=PL5E56D4924FCC6EEB
MARTINS, Amílcar (Maria João Veloso orienta a sessão). (2009). Voz e Dicção – Máscara facial, caixas de ressonância e canto. Lisboa: Universidade Aberta. Vídeo. Duração: 4'31’’.
https://www.youtube.com/watch?v=VQJ2W4qKHpk&index=4&list=PL5E56D4924FCC6EEB
MARTINS, Amílcar (Maria João Veloso orienta a sessão). (2009). Voz e Dicção – Respiração, Relaxamento, Postura e Energia. Lisboa: Universidade Aberta. Vídeo. Duração: 3'10’’.
https://www.youtube.com/watch?v=VUmCcvqVGkg&list=PL5E56D4924FCC6EEB&index=5
MARTINS, Amílcar (Maria João Veloso acompanha a sessão). (2009). Voz e Dicção – Articulação e Dicção. Lisboa: Universidade Aberta. Vídeo. Duração: 6'42’’.
https://www.youtube.com/watch?v=t4JQLxTrR5M&list=PL5E56D4924FCC6EEB&index=6
MARTINS, Amílcar (Maria João Veloso acompanha a sessão). (2009). Voz e Dicção – Máscara facial, articulação e canto. Lisboa: Universidade Aberta. Vídeo. Duração: 3'10’’.
https://www.youtube.com/watch?v=t4JQLxTrR5M&list=PL5E56D4924FCC6EEB&index=6
MARTINS, Amílcar (Maria João Veloso acompanha a sessão). (2009). Voz e Dicção – Leitura Menina do Mar I. Lisboa: Universidade Aberta. Vídeo. Duração: 4'20’’.
https://www.youtube.com/watch?v=7ohAshto-b4&index=8&list=PL5E56D4924FCC6EEB
MARTINS, Amílcar (Maria João Veloso acompanha a sessão). (2009). Voz e Dicção – Leitura Menina do Mar II. Lisboa: Universidade Aberta. Vídeo. Duração: 2'55’’.
https://www.youtube.com/watch?v=0ba4vkwc-qA&index=9&list=PL5E56D4924FCC6EEB
MARTINS, Amílcar (Maria João Veloso acompanha a sessão). (2009). Voz e Dicção – Leitura de Ricardo Grave-Resendes. Lisboa: Universidade Aberta. Vídeo. Duração: 2'46’’.
https://www.youtube.com/watch?v=kxBR5QwMPxk&index=10&list=PL5E56D4924FCC6EEB
VIEIRA, Margarida Magalhães. (1996). Voz e Relação Educativa. Porto: Edições Afrontamento.

E-learning.

O regime de avaliação preferencial é o de avaliação contínua, constituída pela realização de 2/3 e-folios (trabalhos escritos em formato digital), ao longo do semestre letivo, e de um momento final de avaliação presencial (p-fólio), a ter lugar no final do semestre, com peso de, respetivamente, 40% e 60% na classificação final. Os estudantes podem, no entanto, em devido tempo, optar um único momento presencial de avaliação, realizando, então uma prova de Avaliação Final (exame) com o peso de 100%.