Sociedade, Género e Poder
Código: 41105
Departamento: DCSG
ECTS: 6
Área científica: Sociologia
Total de horas trabalho: 156
Total de horas de contacto: 15

Esta unidade curricular pretende enquadrar, de um ponto de vista das ciências sociais, as relações sociais a partir da categoria analítica e relacional de género.
Entende-se as relações sociais de género como conceito central da teoria social e política e fundamental, em particular, para a compreensão do mundo contemporâneo. Neste sentido, introduz-se os/as estudantes à análise das relações sociais de género como uma construção social que emerge da dinâmica das relações de poder, em cada sociedade que produzem discriminações e desigualdades várias, na interseccionalidade de diversos eixos de pertença identitária (ex. idade, sexo, classe, etnicidade, condição física, orientação sexual, etc.).
Procura-se, deste modo, analisar os processos de mudança social que emergem de reconfigurações das identidades de género e das relações de poder, criando  novos modos de ser e de viver em sociedade.

Definição de conceito de género
Género, igualdade e diferença
Género e poder

No final desta unidade curricular o/a estudante deverá ser capaz de:
•    Conhecer, numa perspetiva antropológica e sociológica a construção do conceito de género de modo a que possa contribuir para uma melhor fundamentação da compreensão do mundo contemporâneo.
•    Refletir de forma critica e, numa perspetiva de intersecionalidade, no cruzamento de diversos eixos de poder, de diferenciação e de desigualdade.
•    Desenvolver capacidade de reflexão crítica dos/as estudantes relativamente a temas de relevância cientifica e de cidadania.

1. Contributos teóricos para a elaboração de conceito de género:
1.1 autores/as pioneiros
1.2 releituras críticas
1.3 perspetivas contemporâneas

2. A noção de intersecionalidade de conceitos.
2.1 Género e eixos de pertença identitária
2.2 Género e poder(es)

3.Aplicabilidade de conceito de género:
3.1 Género, ambiente e desenvolvimento
3.2 Género, corpos e espaços

Bourdieu, P.1998. A dominação masculina, Oeiras Celta.

Couto,G.; Ana I. Crespo;Isabel, Cruz; Ferreira; Ana M; Joaquim, Teresa (org.).2008. Variações sobre Sexo e Género. Lisboa: Livros Horizonte

hooks, bell, Brah, Avtar, Sandoval, Chela & Anzaldúa, Gloria (Orgas.), 1984/2004),   Otras inapropriables: feminismos desde las fronteras, Madrid, T de Sueños.

Mauss, M.1950. “As técnicas do corpo” in Sociologia e Antropologia,pp 365- 384

Mead, Margaret- 2007. Sexo e temperamento, S.Paulo, Editora Perpetiva
 
Scott, Joan W,1986.” Género uma categoria útil de análise histórica”in A.I. Crespo, A. M. Ferreira, A.G. Couto e T. Joaquim (orgs), Variações sobre Sexo e Género. Lisboa: Livros Horizonte, pp 49-77



- na sala de aula virtual será facultada bibliografia específica para cada tema.

O regime de avaliação preferencial é o de avaliação contínua, constituída pela realização de 2/3 e-folios (trabalhos escritos em formato digital), ao longo do semestre letivo, e de um momento final de avaliação presencial (p-fólio), a ter lugar no final do semestre, com peso de, respetivamente, 40% e 60% na classificação final. Os estudantes podem, no entanto, em devido tempo, optar um único momento presencial de avaliação, realizando, então uma prova de Avaliação Final (exame) com o peso de 100%.