Relações Interpessoais:agentes,intencionalidades e contextos educativos
Código: 12033
Departamento: DEED
ECTS: 7
Área científica: Ciências da Educação
Total de horas trabalho: 182
Total de horas de contacto: 40

A dimensão relacional constitui uma vertente essencial do processo educativo. Partindo do amplo e complexo universo das relações interpessoais, na presente unidade curricular são exploradas diferentes faces da relação pedagógica, privilegiando três vertentes desta ecologia: os agentes, as suas intencionalidades e os ambientes socioculturais e educativos onde se constroem estas relações. A partir desta matriz, são destacados os seguintes temas: 1) relações dialógicas na ação educativa; 2) professores e suas geografias emocionais; 3) relação professores - alunos: a acão tutorial; 4) pais e parcerias da relação pedagógica; 5) conflito- elemento básico das relações interpessoais educativas. Estes temas aglutinam-se em torno da ideia de “culturas de convivência” em contextos educativos.
A unidade curricular estrutura-se numa lógica teórico-prática, procurando-se uma permanente articulação entre a reflexão teórica e a observação e reflexão em/sobre contextos educativos específicos.

relação educativa
pedagogia dialógica
professores
alunos
pais

Sendo parte integrante da vertente curricular do Mestrado em Supervisão Pedagógica, na presente unidade curricular, pretende-se alicerçar a supervisão pedagógica no universo das relações interpessoais e, em particular, na relação pedagógica.
 
Objectivos:
 
- Analisar as relações interpessoais em contexto educativo à luz da perspectiva dialógica. 
- Reflectir sobre as dimensões emocionais da profissionalidade docente.
- Reflectir sobre o papel mediador do professor nas vivências dos alunos  e formandos.
- Analisar dinâmicas de colaboração entre a escola e as famílias.
- Conhecer dimensões fundamentais do conflito, em contextos educativos.
- Reflectir sobre a intervenção para uma cultura de convivência em âmbito educativo.
 
Competências:
- Identificar conceitos centrais das relações interpessoais, em particular da perspectiva dialógica aplicada às interacções em contexto educativo e formativo;
- Identificar culturas relacionais e, em particular, experiências emocionais dos professores no exercício da profissão docente.
- Desenhar projectos de intervenção orientados para uma cultura de (com)vivência na comunidade educativa.

1- Conceitos básicos da relação educativa
 Perspetiva dialógica.
2- Geografias emocionais dos Professores.
3- Interacções com os alunos: apoio tutorial.
4- Comunidades educativas: Pais.
5- Conflito e intervenção para a regulação de conflitos na escola.

Do amplo e denso universo das relações interpessoais, optou-se por abrir novas vias de interpretação da relação pedagógica, ancorando a unidade curricular em três dimensões fundamentais das relações interpessoais: agentes, papeis e contextos. A partir desta matriz, elegeram-se temas associados aos seguintes domínios: 1) contexto teórico da relação humana e, em particular, do diálogo; 2) os professores e suas geografias emocionais; 3) relação entre professores e alunos, a partir do conceito de acção tutorial; 4) os pais, enquanto agentes fundamentais da relação pedagógica; 5) conflito, elemento básico das relações interpessoais e, simultaneamente, domínio prioritário de intervenção. Estes temas aglutinam-se em torno da ideia de “culturas de convivência” em âmbitos educativos.
Os conteúdos adquirem sentido na medida em que são sempre perspetivados numa permanente articulação entre a reflexão teórica e a observação e reflexão em/sobre contextos específicos.

• Alves, J., M. (org.) (2013). Memórias de Professores. Emoções, Identidades Profissionais, Currículo e Avaliação. Porto: Universidade Católica Portuguesa.
• Azevedo, N.; Nascimento, A.T. (2007). Modelo de tutoria: construção dialógica dos sentido(s). Interacções, 7, pp.97-115.
• Bascón, M. (2013). Conflictos y violencia de género en la adolescencia. Análisis de estratégias discursivas y recursos para la coeducación.  Profesorado, vol. 17, Nº1.
• Center for Activity Theory and Developmental Work Research (s/d). The activity system. Available: http://www.edu.helsinki.fi/activity/pages/chatanddwr/activitysystem/
• Costa, E.; Matos, P. (2007). Abordagem sistémica do conflito. Lisboa: Universidade Aberta.
• Gallego, S.; Riart, J. (coords.) (2006). La tutoria y la orientación en el siglo XXI. Nuevas propuestas. Barcelona: Ocatedro.
• Hargreaves, A. (1998). The emotional practice of teaching. Teaching and Teacher Education. Vol. 14, 8, pp.835-854,
• Hargreaves, A. (2000). Professionals and parents: personal adversaries or public allies? Prospects, Vol. XXX, n. 2, June 
• Neto, F. (2000). Psicologia Social (vol.II). Lisboa: Universidade Aberta.

E-learning

A avaliação tem caráter individual e implica a coexistência de duas modalidades: avaliação contínua (60%) e avaliação final (40%). Essa avaliação será desenvolvida na aplicação de formas diversificadas, definidas no Contrato de Aprendizagem da unidade curricular.

A frequência desta unidade curricular exige:
   • Domínio do inglês ao nível da leitura;
   • Conhecimentos de Internet ao nível do utilizador.