Psicologia Intercultural
Código: 41051
Departamento: DCSG
ECTS: 6
Área científica: Psicologia
Total de horas trabalho: 156
Total de horas de contacto: 15

Na unidade curricular Psicologia Intercultural são apresentadas as origens do domínio, definido o âmbito da disciplina, apresentados os seus objetivos, as diversas abordagens possíveis aos problemas que visa estudar e sumarizadas algumas das suas potencialidades. São analisadas as metodologias de investigação intercultural. São discutidas questões de relação entre cultura, self e personalidade. São estudados processos psicológicos básicos em contexto cultural, nomeadamente, a perceção, a cognição e a emoção. São analisadas as relações entre cultura e comportamento social a diversos níveis: relações íntimas, comportamento pró-social, atribuições e comportamento em grupos restritos (preguiça social, independência, conformidade e obediência). São tidas em conta questões de género e abordadas diversas questões relativas ao contacto intercultural.

 

Culturas
Processos psicológicos
Comportamentos Sociais
Diferenças culturais

Aumentar a consciência e a sensibilidade às semelhanças e diferenças no comportamento humano nas diversas culturas.
Atenuar o pensamento e comportamento etnocêntricos.
Compreender as ligações existentes entre cultura e comportamento.
Dominar conceitos e teorias fundamentais no domínio da psicologia intercultural.

1. A psicologia intercultural em perspetiva
2. Metodologia da investigação intercultural
3. Cultura, self e personalidade
4. Cultura e processos psicológicos básicos em contexto cultural: perceção, cognição e emoção
5. Cultura e género
6. Cultura e comportamento social
7. Cultura e questões sociais
8. Contacto intercultural

Gallois, D. T. (2004). Terras ocupadas? Territorialidades? In Ricardo, F. Terras indígenas e unidades de conservação da natureza (pp.37-41). São Paulo: Instituto Socioambiental (ISA).
Miranda, J. (2014). Numa urbe genderizada. Vivências dos espaços.In J. Miranda e A.P. Beja Horta. Migrações e Género. Espaços, Poderes e Identidades, Lisboa, Editora Mundos Sociais.
Neto, F. (2002). Psicologia Intercultural. Lisboa: Universidade Aberta.

Neves, A.S. & Miranda, J. Introdução. In A.S. NEVES & J. MIRANDA. Género e Migrações (pp.9-12), Revista Ex-Aequo, nº 24.

Wilber, K. (1977). A realidade como consciência. In O espectro da consciência (pp.42-67). São Paulo: Editora Cultrix.

 

E-learning.

O regime de avaliação preferencial é o de avaliação contínua, constituída pela realização de 2/3 e-folios (trabalhos escritos em formato digital), ao longo do semestre letivo, e de um momento final de avaliação presencial (p-fólio), a ter lugar no final do semestre, com peso de, respetivamente, 40% e 60% na classificação final. Os estudantes podem, no entanto, em devido tempo, optar um único momento presencial de avaliação, realizando, então uma prova de Avaliação Final (exame) com o peso de 100%.