Literatura Portuguesa I
Código: 51165
Departamento: DH
ECTS: 6
Área científica: Literatura
Total de horas trabalho: 156
Total de horas de contacto: 15

Unidade curricular que oferece uma panorâmica da Literatura Portuguesa desde finais do séc. XII até ao séc. XVI. O estudo desenvolve-se alternando duas perspetivas distintas, mas complementares: (1) o estudo das características principais que ilustram e distinguem diversas formas literárias cultivadas durante o período temporal em estudo, bem como os seus autores mais significativos, e (2) a leitura e análise aprofundada de textos específicos considerados fundamentais para o período em estudo (a poesia de D. Dinis e a novela Menina e Moça, de Bernardim Ribeiro). 

Literatura Portuguesa
Literatura Medieval
Literatura do séc. XVI

No final desta Unidade Curricular, espera-se que o/a estudante tenha adquirido o seguinte conjunto de aptidões | competências:
• conhecimentos panorâmicos sobre a literatura portuguesa medieval e do século XVI;
• conhecimentos específicos sobre, pelo menos, uma obra literária produzida no período medieval e outra redigida no século XVI;
• capacidade para situar cronologicamente e contextualizar os textos literários estudados;
• aptidão para articular conceitos teóricos e quadros gerais de referência com a análise prática de obras concretas, identificando as respetivas especificidades;
• acuidade para identificar linhas de continuidade e alterações no decurso e entre a literatura medieval e a do século XVI;
• capacidade para ler e entender textos em português medieval e renascentista;
• facilidade de reflexão, de análise crítica, de expressão e de síntese;
• capacidade para formular hipóteses de análise ou explicativas e fundamentar as suas opiniões de forma estruturada e lógica;
• aptidão para fazer pesquisa sobre autores e obras específicos em bibliotecas (presencialmente e online) e em sítios web especializados. 

I Parte: Literatura Medieval
1.1. Contextualização
1.2. Poesia trovadoresca. A obra poética de D. Dinis
1.3. Matéria de Bretanha
1.4. Literatura hagiográfica, didática e sapiencial
1.5. Historiografia
1.6. Produção literária da corte de Avis

II Parte: Literatura do século XVI
2.1. O Cancioneiro geral, de Garcia de Resende
2.2. Teatro de Gil Vicente
2.3. Romances de cavalaria
2.4. Crónicas da Expansão e Literatura de Viagens
2.5. Bernardim Ribeiro e a novela Menina e Moça 

Bibliografia Obrigatória:
1. Recorrer a, pelo menos, duas das seguintes três obras:
1.1.
DIAS, Ainda Fernanda, História Crítica da Literatura Portuguesa (direção de Carlos Reis), Vol. I [Idade Média], Lisboa/São Paulo: Verbo, 1998
BERNARDES, José Augusto Cardoso, História Crítica da Literatura Portuguesa (direção de Carlos Reis), Vol. II [Humanismo e Renascentismo], Lisboa/São Paulo: Verbo, 1999
1.2.
BUESCU, Maria Leonor Carvalhão, Literatura Portuguesa Medieval, Lisboa: Universidade Aberta, 1990
BUESCU, Maria Leonor Carvalhão, Literatura Portuguesa Clássica, Lisboa: Universidade Aberta, 1992 (+ volume de textos complementares)
1.3.
MAGALHÃES, Isabel Allegro de (coord.), História e Antologia da Literatura Portuguesa: séculos XIII-XV, Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2007 (Volume I)
MAGALHÃES, Isabel Allegro de (coord.), História e Antologia da Literatura Portuguesa: século XVI, Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2007 (Volume II - tomos I e II)

2. Obra poética de D. Dinis em: Lírica Profana Galego-Portuguesa: corpus completo das cantigas medievais, [...] (coord. Mercedes Brea), Santiago de Compostela: Xunta de Galicia / Centro de Investigacións Lingüísticas e Literarias Ramón Piñeiro, 1996, vol. I, pp. 175-242
OU, em linha: "Cantigas Medievais Galego-portuguesas" (NOVA-FCSH) - http://cantigas.fcsh.unl.pt/apresentacao.asp

3. RIBEIRO, Bernardim, Menina e Moça (ed de Teresa Amado), Lisboa: edições Duarte Reis, 2002
OU, em linha: Bernardim Ribeiro, História de Menina e Moça (ed de Marta Marecos Duarte), Lisboa: IN-CM, 2015 - https://imprensanacional.pt/edicoes-gratuitas-bflp-historia-de-menina-e-moca-bernadim-ribeiro/

O regime de avaliação preferencial é o de avaliação contínua, constituída pela realização de 2/3 e-folios (trabalhos escritos em formato digital), ao longo do semestre letivo, e de um momento final de avaliação presencial (p-fólio), a ter lugar no final do semestre, com peso de, respetivamente, 40% e 60% na classificação final. Os estudantes podem, no entanto, em devido tempo, optar um único momento presencial de avaliação, realizando, então uma prova de Avaliação Final (exame) com o peso de 100%.