Avaliação em Educação
Código: 11065
Departamento: DEED
ECTS: 6
Área científica: Ciências da Educação
Total de horas trabalho: 156
Total de horas de contacto: 15

Nas últimas décadas a avaliação adquiriu uma visibilidade social e um lugar mais central nos discursos sobre educação. É neste cenário que a avaliação como objeto de investigação emerge, em Portugal, no final do séc.XX. Na UC pretende-se analisar a avaliação enquanto conceito e, também, em termos das suas práticas e valores éticos; refletir e discutir questões suscitadas com a avaliação em contextos virtuais; abordar a avaliação de programas e projetos em educação como processo de apoio ao desenvolvimento de políticas públicas de educação.
 

Avaliação em Educação
Avaliação em contextos virtuais
Políticas Educativas

Espera-se que o estudante tenha adquirido as seguintes competências:
‐ Compreender conceitos e usos da avaliação em educação;
‐ Analisar situações pedagógicas e suas relações com diferentes formas de avaliação;
‐ Perspetivar a avaliação na sua ligação à regulação das aprendizagens em contextos presenciais ou virtuais, quer formais quer não formais;
‐ Compreender a relevância da avaliação no desenvolvimento de políticas públicas em educação.
 

Tema 1 – A avaliação como conceito: natureza e funções
‐ Promoção da discussão de conceitos básicos e das funções da avaliação visando a sua compreensão e utilização adequada em diversos contextos de formação.
Tema 2 – Conceções teóricas da avaliação numa perspetiva evolutiva
‐ Estudo da evolução do conceito na sua relação com o desenvolvimento de ideias noutros campos, nomeadamente, no campo social. Definição dos diversos momentos de evolução e caraterização de distintas conceções.
Tema 3 – Situações pedagógicas e avaliação em contextos virtuais
‐ Análise e reflexão sobre os processos de transição da avaliação para outros campos e outros objetos para além dos espaços escolares formais, em particular, em contextos virtuais.
Tema 4 – A avaliação de programas e de projetos em educação
‐ Perspetivar a avaliação de programas como um importante processo de apoio ao desenvolvimento das políticas públicas de educação.
 

Fernandes, D. (2011). Avaliação de programas e projetos educacionais: Das questões teóricas às questões das práticas. In D. Fernandes (org), Avaliação em educação: Olhares sobre uma prática social incontornável (185-208). Pinhais: Editora Melo.
Pinto, J. (2016). A avaliação em educação: Da linearidade dos usos à complexidade das práticas. In L. Amante & I. Oliveira (org), Avaliação das Aprendizagens: perspetivas, contextos e práticas (3-41). Lisboa: UAb.
Santos, E. & Lima, G. (2016). Avaliação da aprendizagem em educação online: co-criação de fundamentos, práticas e dispositivos. In L. Amante & I. Oliveira (coord.) (2016). Avaliação das Aprendizagens: perspetivas, contextos e práticas (75-98). Lisboa: UAb.
Tardif, J. & Dubois, B. (2011). Da necessária coerência entre as práticas de avaliação e de formação nos programas centrados no desenvolvimento de competências. In M. Alves & J. De Ketele, Do Currículo à Avaliação, Da Avaliação ao currículo. (159-176). Porto: Porto Editora.
 

E-learning

O regime de avaliação preferencial é o de avaliação contínua, constituída pela realização de 2/3 e-folios (trabalhos escritos em formato digital), ao longo do semestre letivo, e de um momento final de avaliação presencial (p-fólio), a ter lugar no final do semestre, com peso de, respetivamente, 40% e 60% na classificação final. Os estudantes podem, no entanto, em devido tempo, optar um único momento presencial de avaliação, realizando, então uma prova de Avaliação Final (exame) com o peso de 100%.